Liderança em Ministério   

PROMOVENDO MUDANçAS NA IGREJA TRADICIONAL
Se existe um esporte que me fascina, este é o esqui aquático. Nunca desperdiço uma oportunidade de ver bons atletas ultrapassando ondas. Aprecio suas habilidades em fazer piruetas em meio à seqüência de ondas e obstáculos que surgem pela frente. Para quem observa esses habilidosos atletas em sua perfórmance esqui-aquática isso parece ser algo fácil e natural. Mas é apenas impressão. O que é necessário mesmo é uma habilidade e muito treino para que eles consigam se manter em pé.

Em anos recentes se tornaram bastante populares os jet-esquis. Esse pequeno veículo aquático permite que o motorista se sente e dirija como se estivesse dirigindo uma motocicleta, só que num lago ou em pleno oceano. No mar eventualmente esses “wave runners” - como originalmente também são conhecidos – irão tentar ultrapassar uma grande onda, ou talvez atravessar pelo ângulo errado. Quando isso ocorre, freqüentemente o veículo capota e lança o motorista para fora. Felizmente os fabricantes o construíram com um mecanismo que lhe permite que fiquem no mesmo lugar, a fim de que o motorista possa dar umas poucas braçadas a nado e dessa maneira retorne ao comando do veículo.

Enfrentando as Ondas das Mudanças

Trazer mudanças para uma igreja tradicional lembra de certa forma dirigir um jet ski, que espalha ondas sobre a calmaria de um lago. Pode ser algo gratificante e empolgante, mas eventualmente é capaz de ser desastroso.

Algumas vezes as ondas causadas pelas mudanças são relativamente pequenas, como as que são produzidas por um jet ski. Em outras ocasiões – dependendo do lugar – elas são tão poderosas que se torna praticamente impossível alguém suplantá-las.

Penso que à medida em que as ondas das mudanças se movimentam em nossas igrejas precisamos de um plano para que efetiva e eficientemente as dirigimos.

Começar novos ministérios, reestruturar outros antigos ou eliminar certos programas anteriores é difícil, em qualquer situação; a onda pode se tornar grande demais para ser ultrapassada na igreja tradicional. Os dez passos que compartilho agora com você são idéias e sugestões que já foram usadas por pessoas que enfrentaram essas ondas. Esses passos puderam minimizar em muito seu impacto, trazendo calmaria, e um novo e determinado olhar para o futuro.

Passo#1: Abençoe o Passado.

A não ser que você seja o plantador da igreja, você – irremediavelmente – estará construindo sobre o fundamento de outros. Foi o compromisso, sacrifício e amor deles pelo Senhor que tornou possível a existência da sua igreja e o lugar que hoje ela ocupa. Sempre respeite e honre os líderes que serviram com fidelidade.

Passo#2: Afirme os ministérios anteriores.

Procure descobrir quais foram os ministérios que se tornaram legendários na história da sua igreja e afirme-os juntamente com as pessoas que serviram dentro deles. Isso é particularmente importante, principalmente se você está planejando reestruturá-lo ou substituí-lo.

Passo#3: Dê ênfase a princípios, e não a métodos.

Saliente os princípios que formaram as bases e os alicerces dos ministérios do passado. Pense detidamente em cada ministério que precisa ser mudado e identifique os princípios bíblicos que os validaram. Ensine e pregue esses valores e princípios que atravessaram o tempo e permanecem válidos até os dias de hoje.

Passo#4: Apresente mudança como uma extensão de ministérios do passado.

Apresente a sua nova abordagem de ministério como uma “extensão” de um ministério anterior. Por exemplo: se você deseja iniciar um novo culto, focalize-se no fato de que você está expandindo o seu presente culto de tal maneira que agora irá alcançar um número maior de pessoas.

Passo#5: Ilustre como a mudança traz consigo os valores de um ministério do passado.

Numa certa igreja bastante tradicional o novo líder quis mudar a reunião de oração do meio da semana para um ministério de grupos pequenos. A liderança ajudou o povo a compreender que o objetivo da reunião do meio de semana era o de orar. A liderança argumentou ainda que um número maior de pessoas estariam orando se vários grupos pequenos estivessem reunidos em horários diferentes durante a semana. A igreja, como resposta, concordou em fazer uma experiência neste sentido.

Passo#6: Assegure às pessoas que você estará implementando princípios bíblicos.

Invista tempo em instruir as pessoas de tal maneira que elas possam compreender que é a “forma” de ministério que está mudando, e não a “fundação”. Enfatize os princípios bíblicos mais que os estilos do passado, fazendo uma ponte de explicação sobre como as formas mais recentes de fazer ministério contêm os mesmos velhos princípios.

Passo #7: Ouça e Ame.

Líderes precisam dar às pessoas o tempo necessário para que elas possam compartilhar seus sentimentos, extravasar suas frustrações e se tornar familiarizadas com os novos estilos de ministério. É sábio prover pequenos fóruns reunindo grupos pequenos de cada vez, onde essas pessoas possam fazer perguntas, em lugar de uma reunião envolvendo toda uma assembléia geral de igreja.

Passo #8: Comunique o fato de que as tradições são muito mais honradas e valorizadas quando incorporadas em novos ministérios.

Existem tradições mortas e tradições vivas. As mortas continuam a ser lembradas com muito pouco ou nenhum impacto na vida das pessoas. As tradições vivas continuam, ao prover as razões históricas para ministérios que estão sendo realizados hoje. As melhores tradições são aquelas que apontam para o futuro mediante eficientes e produtivos ministérios que alcançam as pessoas com a gloriosa presença do Evangelho.

Passo:#9: Seja Paciente.

Compreenda que são necessários de 5 a 7 anos, e em alguns casos até mais, para levar uma igreja arraigada em suas tradições do passado a uma nova direção no futuro.

Passo #10: Persevere e confie em Deus porque é ele que muda mente e corações.

À medida que amamos a Deus e servimos seu povo, ele irá nos ajudar a implementar as mudanças para um eficiente e gratificante ministério.


Nélio DaSilva

Voltar